A Noite do Jogo (2018)

Por Nagib Salha

A Noite do Jogo, com direção impecável de John Francis Daley e Jonathan Goldstein, é uma comédia bem original com ingredientes críticos, insanos e poucas vezes comuns. É difícil encontrar uma boa comédia atualmente, mas o filme escrito por Mark Perez me surpreendeu. O humor constante e a tensão no tempo certo tornaram-se uma mistura fantástica, explosiva do começo ao fim.

A trama se passa exatamente na Noite do Jogo. Max (Jason Bateman) e Annie (Rachel McAdams), que se conheceram em um pub exatamente por terem muito em comum, principalmente a competitividade, terão que mudar o endereço tradicional da Noite do Jogo. Agora, para a casa alugada do irmão de Max, Brooks (Kyle Chandler), que chegou em sua cidade à negócios. Os amigos Ryan (Billy Magnussen), Kevin (Lamorne Morris), Michelle (Kylie Bunbury) e Sarah (Sharon Horgan) – a nova parceira de Ryan – foram convidados por Brooks para um novo jogo, com mistérios no melhor estilo Detetive (Clue).

Brooks é o irmão mais velho de Max, simpático, confiante e muito rico. Agora, ele será o grande anfitrião. Brooks contrata uma empresa (de jogos) que disponibiliza alguns tipos de dossiês para cada participante. Um deles será sequestrado, e através de dicas e enigmas eles terão que encontrar a vítima. O prêmio? Um raro Corvette Stingray 76. Para Max, vencer esse jogo é uma questão de honra, pois a gravidez de Annie depende disso. Durante o jogo, algo dá errado e então temos início a uma hilária aventura. Melhor parar por aqui…

O ator Billy Magnussen – está no elenco do próximo live-action da Disney, Aladdin – foi uma boa surpresa. Seu personagem é um completo idiota, mas com um carisma sensacional. Sempre levando parceiras diferentes para A Noite do Jogo, Ryan parece ter acertado dessa vez ao convidar sua colega irlandesa Sarah, interpretada por Sharon Horgan. Os bons momentos desta dupla arrancaram algumas boas risadas realmente.

Jesse Plemons está ótimo como o policial Gary. Desajeitado, socialmente rejeitado, com um semblante depressivo e quase assustador. Sempre lamentando o abandono de sua ex-esposa e deixando claro sua insatisfação com a rejeição dos vizinhos (Max e Annie) e parceiros de jogo. Ele deseja voltar e observa a rotina de todos para saber se está sendo ignorado, fazendo com que os amigos de Max e Annie cheguem a entrar pela janela para não serem vistos por ele. A participação de Gary é um dos melhores momentos do longa.

As escolhas criativas, como a trilha sonora excepcional de Cliff Martinez e a cinematografia de Barry Peterson, que introduziu alguns cenários parecidos aos encontrados em jogos de tabuleiro, além de perseguições no melhor estilo GTA, surpreendentemente bem executadas junto a trilha sonora totalmente gamer, me levaram à momentos de imersão total no filme.

Talvez o roteiro de Mark Perez não agradasse se tivesse caído em mãos erradas. Os diretores John Francis Daley e Jonathan Goldstein foram realmente os grandes responsáveis por levar esta comédia à um nível mais alto, sem perder a linha em nenhum momento. As sequências de ação foram insanas e os diálogos em meio a isso conseguiram acertar o alvo. O filme é cheio de reviravoltas surpreendentes e eu, particularmente, adoro isso. Destaque para a química entre Jason Bateman e Rachel McAdams, no mesmo nível de Tom Hanks e Meg Ryan em Sintonia de Amor (1993) ou Bradley Cooper e Jennifer Lawrence em O Lado Bom da Vida (2012). Tivemos também algumas participações especiais com Michael C. Hall (Dexter) e Danny Huston (Mulher-Maravilha).

Resumindo, A Noite do Jogo tem uma boa trama, críticas as vezes subliminares, ótimas atuações, ação, humor, mistério e reviravoltas incríveis, oferecendo diversão e momentos inesquecíveis. A comédia de Hollywood da maneira certa; sem vulgaridades e personagens descartáveis. Sim! Tem uma cena pós-créditos referente a um bom momento entre o casal Michelle e Kevin sobre o ator Denzel Washington. Vale esperar…

A Noite do Jogo (2018) – Título original: Game Night. Dirigido por John Francis Daley e Jonathan Goldstein. No elenco: Jason Bateman, Rachel McAdams, Kyle Chandler, Jesse Plemons, Billy Magnussen, Sharon Horgan, Lamorne Morris, Kylie Bunbury, Michael C. Hall, Danny Huston e Camille Chen. EUA. Duração de 100 minutos.

Compartilhe: