Alfa (2018)

Alfa é mais um clássico de aventura, que não correu muitos riscos. O filme tem como destaque um visual deslumbrante, e apresenta uma trama bem desenvolvida sobre sobrevivência, amizade e lealdade. Diversão para toda a família. Leia a nossa crítica…

Por Nagib Salha

O diretor Albert Hughes conseguiu realizar um trabalho incrível do que seria o primeiro registro de amizade entre o homem e o cão (no caso, um lobo). Martin Gschlacht foi o responsável por uma das mais belas paisagens (fotografia) vistas no cinema, em meio a uma trama empolgante e emocionante.

A aventura se passa há 20.000 anos. Alfa nos leva a uma caçada que termina de forma quase trágica. Após isso, entramos em uma aventura única de um jovem caçador e um lobo, ambos feridos, aprendendo a conviverem para se alimentar e encontrar o caminho de volta para casa. Uma trama para toda família, sobre sobrevivência e amizade, com uma técnica moderna (semelhante aos trabalhos do diretor Zack Snyder), envolvente e ótimos efeitos visuais.

Keda (Kodi Smit-McPhee), é o jovem caçador filho do chefe da tribo (Tau, interpretado por Johannes Haukur Johannesson) e provável sucessor do pai. Após sofrer o ataque de uma espécie de Bisonte, Keda cai de um penhasco. Inconsciente e longe demais para ser resgatado, ele é considerado morto pelos caçadores. Mesmo contra a vontade do líder, todos devem seguir viagem de volta, deixando para trás o jovem ferido.

A partir deste momento, entendemos o real significado da frase dita pela mãe de Keda: “ele conduz com o coração e não com a lança”. O jovem não é frágil, como aparenta nos flashbacks apresentados no início, e prova isso durante sua incrível jornada. Após uma batalha contra os lobos, Keda acaba ferindo um deles. Com um tempo, ao invés de mata-lo após os outros se afastarem, ele resolve cuidar do animal, para que sobreviva.

Alguns bons momentos criados no roteiro de Daniele Sebastian Wiedenhaupt tentaram aproximar o relacionamento para uma possível realidade. Como quando Keda amarra o focinho de Alfa para que possa ajuda-lo com a ferida e não ser mordido pelo animal. Para impor liderança, o jovem caçador caça uma lebre e na insistência do lobo em comer o animal, Keda ordena com expressão de raiva e autoridade para que Alfa espere sua vez para se alimentar. Primeiro o dono, depois o cão (?). Outra situação próxima do natural, mostra o lobo instintivamente levando os animais para serem abatidos por Keda. Uma caça cooperativa como ocorre com cães treinados. A diferença é que, na situação apresentada, mais parece que o cão está ensinado o seu dono a caçar.

Estamos diante de um filme clássico de aventura, que não correu muitos riscos. Com visual deslumbrante apresentado em uma trama bem agradável sobre sobrevivência, amizade e lealdade. Diversão para toda a família.

Alfa (2018) – Título original: Alpha. Dirigido por Albert Hughes. No elenco: Kodi Smit-McPhee, Jóhannes Haukur Jóhannesson, Morgan Freeman (narrador), Natassia Malthe, Leonor Varela, Mercedes de la Zerda, Jens Hultén, Priya Rajaratnam e Spencer Bogaert. EUA. Duração de 96 minutos.