Missão: Impossível 6 (2018)

Por Nagib Salha

Você não vai precisar de muito tempo para decidir que Missão: Impossível – Efeito Fallout é o filme do ano, no gênero. A franquia, que existe desde 1996 (na época com Brian De Palma no comando), tem aqui um de seus melhores momentos com uma grande influência de J.J. Abrams no crescente sucesso.

A trama foi muito bem estabelecida em um roteiro frenético e explosivo. A nova missão lhe é entregue antes mesmo da abertura, basta apenas Ethan Hunt recuperar três esferas de Plutônio roubadas. Um grupo de terroristas, que pretende criar bombas atômicas com esses elementos, está mais interessado que Hunt. Em meio a uma negociação que parecia tranquila, salvar a vida de um de seus parceiros acaba tomando à frente da missão, transformando o simples em algo bastante complicado. Agora, os terroristas têm os ingredientes necessários para provocar uma catástrofe desproporcional.

Depois de cinco sequências, Christopher McQuarrie é a primeira figurinha repetida na direção. Em 2015, ele conseguiu elevar o nível da franquia, assim como fez J.J. Abrams em 2006 com o terceiro. A maioria das missões, durante esses 22 anos, nos apresenta inovações, entretanto, sem deixar de lado tudo aquilo que amamos nos filmes: as sequências implacáveis e explosivas de Ethan Hunt (Tom Cruise), os efeitos de voz e máscara para enganar os vilões (também os fãs) e aquele momento em que uma contagem regressiva pode decidir a sobrevivência de toda a equipe.

Nos primeiros momentos, os agentes Hunt e Walker (Henry Cavill) realizam um emocionante salto de paraquedas a 25 mil pés do solo de Paris. Logo em seguida, temos uma sequência de luta envolvendo os dois agentes e o assassino Lark Decoy (Liang Yang), onde vemos Cavill recarregando os socos com movimentos fantásticos, em uma coreografia brutal, belíssima; e a opção de não usar uma trilha sonora durante as cenas, nos fez absorver muito melhor cada efeito. Se na sua cabeça aquilo tudo já era o bastante, assistimos em seguida uma operação de resgate fulminante, com sequências de tirar o folego.

Tom Cruise é um grande astro e apresentou isso melhor do que nunca no sexto filme da franquia. Um ator que está longe de esgotar seus limites. O novo Ethan que surgiu em 2006, está mais humano do que nunca – e se para alguns isso vem a ser uma fraqueza, para outros pode ali está a sua maior força. Dentre as tantas cenas já conhecidas, sempre houve momentos surpreendentes, onde esse lado mais realista de Hunt foi responsável pelo desencadeamento.

Henry Cavill fez algo incrível, também. Talvez seu melhor papel até agora, provando que pode assumir qualquer personagem, seu futuro não está preso ao DCU. Vida longa para Tom Cruise, Ving Rhames, Simon Pegg e Christopher McQuarrie! Missão: Impossível – Efeito Fallout se tornou um dos melhores filmes de ação da história do cinema porque todos os envolvidos na produção fizeram um excelente trabalho.

Com uma mistura perfeita de ação explosiva, locações atraentes e cinematografia emocionante combinada com suspense (não poderia ter sido melhor), só posso dizer que estou louco para receber a próxima Missão: Impossível o mais rápido possível.

Missão: Impossível – Efeito Fallout (2018) – Título original: Mission: Impossible – Fallout. Dirigido  por Christopher McQuarrie. No elenco: Tom Cruise, Henry Cavill, Ving Rhames, Simon Pegg, Rebecca Ferguson, Sean Harris, Vanessa Kirby, Alec Baldwin e Angela Bassett. EUA. Duração de 147 minutos.