Próxima Parada: Apocalipse (2018)

Por Nagib Salha

O filme do diretor David M. Rosenthal, lançamento na Netflix, tem um início repleto de mistérios, com uma trama bastante sólida e curiosa, quase irresistível. Mas, parece que um terremoto em grande escala atinge o roteiro e tudo muda drasticamente.

Will (Theo James) e Sam (Kat Graham), o casal central da trama, estão planejando o casamento. Antes disso, Will deve pedir permissão ao pai da noiva, o ex-fuzileiro Tom (Forest Whitaker), num jantar na casa dos sogros em Chicago. Porém, nada sai como planejado. No outro dia, Will é acordado por um telefonema de Sam, mas durante a ligação falhas na rede de energia e telefonia acontecem e vários rumores sobre algo ruim acontecendo na costa oeste dos EUA começam a surgir. Desesperado, Will retorna a casa dos sogros e já os encontra preparados para ir em busca de Sam que está na cidade de Seattle. Então, a dupla Will e Tom, resolvem pegar a estrada em um Cadillac para salvá-la.

Os momentos iniciais são bem interessantes, banhados de um suspense realmente promissor. Quanto a dupla tenta atravessar uma barreira feita na estrada pelo exercito americano, um dos soldados se mostra apreensivo ao liberar passagem, a pedido de Tom, mostrando certo arrependimento em sua decisão. Aquilo me deixou realmente preocupado. Não saber o que estava acontecendo na realidade foi um passo importante para o desenvolvimento da trama.

Entretanto, quando Will e Tom, tentam levar na viagem a mecânica Ricki (Grace Dove), temos uma primeira falha. Para isso, Tom oferece 2000 dólares e argumentos bem difíceis de engolir naquela situação. Inacreditável uma mulher se convencer tão facilmente a entrar em um veículo com dois homens estranhos em uma viagem de aproximadamente 5 dias. Este foi um dos inúmeros momentos do roteiro que nos fizeram engolir de qualquer jeito.

Para amenizar falhas, Próxima Parada: Apocalipse nos entregou uma ótima fotografia e bons efeitos visuais no percurso dos protagonistas de Chicago até Seattle com algumas paradas em busca de combustível, água e outros alimentos. O elenco não parece à vontade, com exceção a Forest Whitaker, sempre brilhante e empenhando-se ao máximo independente do que tem em mãos. O ator Theo James, da franquia A Série Divergente, tem seus momentos, entretanto sem muito a oferecer. Grace Dove tem talento, mas um pequeno sopro apagou sua chama na trama.

Os momentos finais estavam forçados e perdidos. A interação entre os personagens, os diálogos, tudo virou um desastre. A impressão é de que o roteirista convenceu os produtores apenas mostrando os 30 minutos iniciais da trama e não tinha em mãos um roteiro pronto. Brooks McLaren (que está envolvido no próximo Rambo) não soube seguir com a trama e muito menos chegar a uma conclusão aceitável, provavelmente desistiu do filme.

Um “quase filme” foi entregue para a Netflix, que deveria ter um pouco mais de cautela em suas escolhas. Se você precisa de uma solução, respostas, ficará realmente decepcionado. Se quer apenas assistir um suspense de ficção científica com algumas cenas de ação interessantes, vai gostar. Porém, assista sem grandes expectativas.

Próxima Parada: Apocalipse (2018) – Título original: How It Ends. Dirigido por David M. Rosenthal. No elenco: Theo James, Forest Whitaker, Grace Dove, Kat Graham, Nicole Ari Parker e Kerry Bishé. Canadá/EUA. Duração de 113 minutos. Disponível na Netflix.