Liga da Justiça (2017)

Liga da Justiça (2017)

Finalmente a Liga da Justiça chegou aos cinemas. A espera valeu a pena? Sim. Os três grandes heróis da DC estão juntos novamente depois de Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016), só que agora unidos a Aquaman, Flash e Cyborg. Felizmente, o longa provou ser exatamente o que o estúdio precisava. Temos grandes momentos e a equipe realmente funciona.

Assim como terminou A Origem da Justiça em 2016, iniciamos o novo longa da DC com Bruce Wayne (Ben Affleck) e Diana Prince (Gal Gadot) à procura dos novos heróis para formarem uma equipe capaz de derrotar uma terrível ameaça. Mas, a busca só ganha força devido à confirmada presença dos Parademônios (criaturas aladas) na Terra. Eles procuram a Caixa Materna sob as ordens do Lobo de Estepe (Ciarán Hinds), este o grande vilão do filme.

Na busca de Bruce Wayne, conhecemos Arthur Curry (Jason Momoa), o Aquaman. Em seguida, somos bem apresentados a Barry Allen (Ezra Miller), o Flash, e Victor Stone (Ray Fisher), o Cyborg. Este último, recrutado por Diana Prince. Unidos, há esperança para acabar de uma vez por todas com o Lobo de Estepe. Porém, após a decepção do primeiro grande confronto, eles decidem trazer de volta aquele que foi o ser mais poderoso do universo, o Superman.

Uma das coisas que mais me impressionaram no longa foi a assinatura do diretor Zack Snyder. Ficou claro quando era ele ou Joss Whedon (que fez algumas regravações/refilmagens). No início do filme, Batman está brutal, sombrio e na melhor fase. Na sequência de ação, muito bem dirigida e acompanhada por uma ótima trilha, temos uma pintura na tela que pagou o ingresso. A percepção clara da ausência do Superman, por exemplo, foi outro momento ímpar, como as consequências de sua morte mostradas de forma criativa nas ruas das grandes cidades. Mesmo com um clima de insegurança e violência, o sentimento de esperança presente no herói e que se espalhou por toda humanidade, não foi esquecido.

A sequência de ação com a Mulher-Maravilha para impedir um ato terrorista, foi sensacional. Mas, a edição descartou algumas cenas que foram apresentadas nos trailers. Aliás, diversas cenas foram descartadas, removidas, excluídas. Isso foi um ponto bastante negativo. A direção de arte trabalhou bem, principalmente com os uniformes, caracterização dos personagens e efeitos visuais. A fotografia foi algo a ser destacado devido aos diversos tipos de tons utilizados, claramente notado quando o elenco estava em uma cidade diferente (Metrópolis, Gotham, etc). Toda a trilha sonora estava sublime e o elenco fantástico. O ponto falho foi exatamente a presença de Joss Whedon na direção. Suas refilmagens e cenas adicionais não foram unanimidade e a disposição de um humor incoerente com alguns personagens, principalmente o Batman, prejudicou o que estava seguindo um trilho ideal.

(Whedon foi creditado apenas como roteirista, mas teve que dirigir algumas cenas devido ao afastamento de Zack Snyder após o suicídio de sua filha de 20 anos)

Zack Snyder, certamente devido ao sucesso de Mulher-Maravilha, conseguiu um tom adequado para a DC nos cinemas. Flash é o destaque com cenas empolgantes e Superman agora é unanimidade, invencível e surpreendente. A Mulher-Maravilha repetiu suas qualidades vistas no filme solo e comandou a Liga da Justiça de forma espetacular. Não tenho receio em dizer que as lutas são fantásticas e nos levam para uma viagem incrível em todas as cenas. Todos os integrantes da equipe têm seu momento na tela, mas é exatamente na união do grupo que tudo fica mais empolgante. Ben Affleck conseguiu superar minhas expectativas mais uma vez como o Cavaleiro das Trevas. O futuro já está estabelecido.

Liga da Justiça é um filme clássico, leve e bem humorado (adorei a piada do Cemitério Maldito, obra de Stephen King). A edição fez milagres para duas horas apenas e merece o devido respeito. Ezra Miller, Jason Momoa e Ray Fischer me conquistaram e quero vê-los novamente como Flash, Aquaman e Cyborg, respectivamente. O retorno do Superman não foi da forma que eu esperava, mas convenceu. As sequências de ação foram sensacionais (mesmo sem uma motivação convincente), o diretor nos apresentou heróis realmente entrosados, com humor característico de piadas certeiras e eficientes. A Warner realmente acertou nisso. Todos os créditos vão para Zack Snyder que soube entregar um filme que agrada tanto o espectador comum quanto os fãs dos maiores heróis dos quadrinhos. Atenção! A segunda cena pós-créditos é sensacional.

Liga da Justiça (2017). Título original: Justice League. Dirigido por Zack Snyder. No elenco: Ben Affleck, Gal Gadot, Henry Cavill, Ezra Miller, Jason Momoa, Ray Fisher, Amy Adams, Diane Lane, J.K. Simmons, Ciarán Hinds, Jeremy Irons, Robin Wright e Billy Crudup. EUA. Duração de 120 minutos.

Compartilhe:

Liga da Justiça

Liga da Justiça

Liga da Justiça

Por Nagib Salha

Este ano teremos mais um filme esperado do Universo da DC/Warner. Depois de Homem de Aço, Batman v Superman, Esquadrão Suicida e Mulher Maravilha, chegou a vez do promissor “Liga da Justiça”.

É impossível não fazer comparações com o Universo da Marvel muito bem sucedido. A DC tem uma abordagem diferente, mais segura nas mãos dos fãs do que nas mãos dos críticos. Apesar de todo o sucesso da espetacular “Mulher-Maravilha”, que finalmente conseguiu sossego nos braços da crítica, a DC/Warner espera fechar com chave de ouro o primeiro ciclo que iniciou com “Homem de Aço” em 2013. A vantagem da Marvel em relação aos Vingadores é que, até esse ponto, todos os seus filmes foram bem recebidos por fãs e críticos. A Liga da Justiça não tem realmente esse luxo. Em vez disso, eles estão saindo de dois filmes negativamente recebidos, filmes com espectadores divididos mas com bilheterias impressionantes.

Existe aí uma estrada longa para compensar o que foi mal visto no cinema e o filme entrará em cartaz com a obrigação de se tornar um dos maiores sucessos da Warner. Uma coisa não podemos negar, os fãs da DC estão apostando tudo e mais um pouco nisso. Não podemos negar que o Batman do Ben Afleck é sensacional e a Gal Gadot não é uma atriz que interpretou a Mulher Maravilha, ela é definitivamente A Mulher Maravilha.

E foi exatamente Gal Gadot que tranquilizou os fãs em uma declaração. Em uma entrevista para a revista Rolling Stone, onde será destaque na edição de setembro, Gal Gadot que tranquilizou os fãs ao falar sobre as refilmagens de ”Liga da Justiça”. Mostrando confiança em Joss Whedon, que assumiu a produção após Zack Snyder pedir licença devido a um acontecimento trágico em sua família.

Veja bem, pelo que sei, Joss foi escolha do próprio Zack para finalizar o filme. E o tom não pode ser completamente alterado porque tudo já foi feito. Joss está apenas ‘polindo’ o corte final.

Alguns sites já revelaram que Ciborgue será o personagem responsável por maior parte dessas mudanças ao longo das refilmagens. A Warner considerou que sua história estava muito sombria.

Bruce Wayne e Diana Prince agora têm um inimigo ainda maior. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha recrutam um time de meta-humanos para formar a Liga da Justiça com Aquaman, Cyborg e Flash. Liga da Justiça chega aos cinemas em 16 de novembro no Brasil, com direção de Zack Snyder. O elenco tem Henry Cavill (Superman), Ben Affleck (Batman), Gal Gadot (Mulher-Maravilha), Ezra Miller (Flash), Jason Momoa (Aquaman), Ray Fisher (Ciborgue), Ciaran Hinds (Lobo da Estepe) e outros gigantes no elenco.

Confira o trailer abaixo e tire suas conclusões.

Compartilhe: